Um Quarto chamado Frida Kahlo

Falar de Frida Kahlo é sempre inspirador. Não só pela sua história de vida e arte, mas pela sua visão de vanguarda pra época. Inspirou e segue inspirando seres humanos por toda a parte. Tão forte e empoderada quanto Magdalena Carmen Frida Kahlo y Calderón  é Ana Medeiros, criadora de um dos blogs brasileiros mais antigos sobre decoração – no estilo faça você mesmo – quando o termo DIY ainda nem era moda. O nome do site já é charmoso por si:  “A Casa que minha avó queria” e foi criado inspirado em sua avó Edite, que nunca conseguiu decorar a casa do jeitinho que sempre sonhou.

Desde 2009, quando o blog surgiu, comecei a acompanhar os posts e Ana era minha amiga e nem sabia. Enquanto dava dicas de decoração e mudava de cidade, eu fazia o mesmo do outro lado. O fato é que eu sempre ia buscar alguma referência de alguém de verdade pra trazer mais cor e aconchego para o meu lar. O Pinterest nesse quesito sempre foi paixão e o Apartment Therapy , aquele ídolo hollywoodiano. Mas… na vida real, tudo aquilo não se encaixava com a minha realidade, história e vivências. Até que eu adotei a decoração possível que a Ana nos mostrava. Foi nessa época que também descobri a Thalita Carvalho, do Casa de Colorir, hoje comandando o “Mais Cor por Favor”, no GNT.

As cenas mudam. As pessoas mudam. As casas idem. Ana voltou a morar em sua cidade natal – Recife – e eu mudei de país – Portugal. E num desses momentos: “como posso decorar minha casa nova?”, redescobri o site. E surpresa maior foi me deparar com a idéia mais sensível e embuída de toda sororidade do mundo: um quarto chamado Frida. Já explico: a Ana, estava com um quarto a sobrar em casa. E decidiu reformar, fazer uma decoração inspirada na Frida Kahlo e alugar – através do Airbnb – para hospesdar leitoras e mulheres viajantes, sozinhas ou com filhos. Quando li, senti o coração aquecido. Mulheres que viajam só e optam por hostels, albergues e compartilhamento de quarto, sabem a importância disso: o conforto que é poder se hospedar num lugar cheio de amor, com boa receptividade e totalmente seguro.

Quando li sobre essa história, alguns pontos se conectaram. Recordei de viagens que fiz sozinha e sempre receava pela minha segurança. Lembrei dessa minha frase favorita do Mário Quintana:

“Viajar é trocar a roupa da alma.”

Trocar a roupa da alma, trocar a roupa da casa: coisas que a Ana faz desde sempre. E tudo isso tinha sentido com uma das citações preferidas da Frida: “Pés, para que os quero, se tenho Asas para voar?” E dessa amálgama:   minha arte nas cores da Casa Azul de Frida + “Asas para voar”+ Viagem + Receber mulheres viajantes + Sororidade…  pra mim fazia todo sentido do mundo!

Então, mandei um pequeno abraço em forma de almofada que precisava estar nesse quartinho. Ali no cantinho da cama, ela acolheria almas femininas como Frida acolheu e como a Ana decidiu fazer. E, olha a lindeza que ficou com esse papel de parede de cactos…

Para quem ficou cheio de vontade de conhecer o quartinho Frida e todas as inspirações do blog, é só ir seguir o trabalho da Ana pelo instagram e site do “A Casa que minha avó queria”.

Pra quem ama Frida Kahlo: Recentemente, o Victoria and Albert Museum, em Londres, realizou uma exposição enorme e riquíssima em homenagem à Frida. Encerrou esse mês, mas no site há um pouco desse unverso mágico e cheio de pecualiaridades. Colírio para os olhos: Veja um pouco aqui.

Obrigada Ana, por fazer esse gentileza ao mundo e às mulheres. Frida se sentiria honrada.

Obrigada Touts, por me ajudar a levar um pouquinho de cor e amor pra esse Brasil todo.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *